Rui Lima - Encontro Economia Criativa Lusófona
21668
portfolio_page-template-default,single,single-portfolio_page,postid-21668,ajax_fade,page_not_loaded,,select-theme-ver-2.4,vertical_menu_enabled,wpb-js-composer js-comp-ver-4.7.4,vc_responsive

Rui Lima

Musicology Vice-President – MS Found

Rui Lima é um dos mais importantes nomes da cultura madeirense e das fantásticas “Noites da Madeira”. Durante décadas fez parte dos mais brilhantes momentos de animação da Madeira. As «Noites da Madeira», desenvolvidas nos hotéis, casino, restaurantes de luxo, bares e clubes noturnos ocupavam uma grande parte dos músicos locais. Alguns com contrato de exclusividade, por muitos anos. O estatuto de músico de hotel, com carteira profissional, estava devidamente regulado e legislado Regulamento da Carteira Profissional dos Músicos, Lisboa, Instituto Nacional do Trabalho e Previdência, 1973. O ensino doméstico, no que diz respeito à prática de teclado (piano e órgão) e instrumentos de corda (guitarra portuguesa e viola) foram uma realidade até ao 25 de Abril de 1974, ministrado este por músicos ou professores de música do ensino oficial. O canto era uma das vertentes deste ensino particular, que assumia nalguns casos, um reforço às aulas recebidas na Academia. Estas eram ministradas pelos professores tutelares do curso de canto daquela instituição. A música ligeira e o Swing/Jazz eram também, enquanto estilos e modos de tocar, ensinados por músicos profissionais da noite musical funchalense. Rui Lima, foi um dos exemplos bem conhecidos durante a década de 70, 80 e 90 que recebiam em suas casas um leque variado de alunos. Ainda na década de 60 e até ao 25 de Abril de 1974, uma outra vertente para o desenvolvimento de carreira profissional como músico, passou pelos barcos e paquetes da carreira das ilhas e carreira da África Portuguesa. Os navios «Vera Cruz», «Funchal» ou «Infante Dom Henrique» tinham a tocar nas suas orquestras de bordo, muitos músicos madeirenses. Com a inauguração do aeroporto novos empreendimentos turísticos, entre eles o complexo da Matur e o Hotel Holyday In em Machico, levaram muitos músicos, artistas e grupos madeirenses a expandirem a sua atividade musical àquela vila madeirense, alargando assim a zona geográfica com apetência pelo trabalho artístico não só dos grupos vocacionados para a dança, mas também os grupos de folclore, grupos de dança e trios de música erudita, que respondiam ao desafio de um hotel de cinco estrelas, com clientes de primeiro mundo.

Pessoa afável, correcta, de enorme talento e grande valor humano, é um símbolo que muito estimamos e que temos muita honra em ter como nosso Vice-Presidente.